Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O Boticário, planejamento logístico


A empresa o Boticário, possui Capital 100% nacional, operando a mais de 30 anos no mercado brasileiro. Empresa genuinamente Paranaense, utiliza-se do Sistema de Franquias (Franchising) como meio de comercialização de seus produtos, no Brasil, possui mais 2.900 lojas, gerando 14 mil empregos diretos, operando também no exterior,com mais de 1.000 pontos de vendas em 10 países. Atualmente, é a maior rede de franquias no setor de perfumarias e cosméticos no mundo, classificando seus produtos em três categorias: Perfumaria, cremes/loções e maquiagens.
Quando os caminhões de O Boticário terminam a entrega de 1.200.000 itens distribuídos diariamente para as 2.900 lojas da rede espalhadas por todo o Brasil, entre suas categorias, chega ao fim de uma complexa operação, que foi idealizada para funcionar como um relógio suíço. Iniciada na fábrica de O Boticário, em São José dos Pinhais, no Paraná, ela envolve desde a compra dos insumos para a produção até a definição das rotas de entrega dos caminhões. Para não colocar em risco a eficiência da operação, a empresa procura definir até mesmo a ordem de acomodação da carga nos veículos, de acordo com o itinerário de cada um. E, durante o percurso, monitora os caminhões por radar, não apenas em nome da segurança da carga e dos motoristas, mas também para manter o controle absoluto do processo.
O exemplo de O Boticário ilustra com perfeição como funciona o planejamento logístico, quando levado às últimas conseqüências, para permitir a oferta do produto certo, no lugar certo, na hora certa, pelo menor preço possível. E quem pensa que esse tipo de solução só é possível em grandes corporações deve rever seus conceitos. A velocidade das transformações no mundo dos negócios e a pressão por redução constante dos custos tornaram o planejamento logístico um instrumento essencial para a sobrevivência das empresas, independentemente do porte ou do ramo de atividade.




DENTRO DO PRAZO - Se o produto ou o serviço que você oferece não estiver disponível para o cliente no momento adequado, não há qualquer dúvida de que a logística do seu negócio - ou a de seus parceiros - falhou. Você pode até conseguir entregá-lo, muitas vezes, no prazo previsto. Mas o que isso acaba lhe custando, em recursos e dores de cabeça, dificilmente compensa. Além disso, hoje em dia, com a globalização, não há mais espaço para improvisações no mundo dos negócios. Qualquer deslize pode ser fatal na hora de conquistar o cliente ou de contabilizar os resultados de sua empresa. 'A logística é um fator que faz uma enorme diferença.

No Brasil, o tema ainda é associado quase exclusivamente ao transporte de mercadorias. E, para o pequeno e o médio empreendedor, isso é realmente o que importa. Afinal, o transporte é o item mais caro de todo o processo - de 50% a 70% das despesas totais de logística, estimadas entre 4% e 10% do faturamento das empresas, segundo os especialistas. Mas a logística envolve, em toda a cadeia de suprimentos, praticamente tudo - entrega de matéria-prima na fábrica, armazenagem, estoques, processamento de pedidos, movimentação de mercadorias, impostos e procedimentos administrativos.
A logística engloba um conjunto de operações que demandam recursos e geram custos com funcionários, equipamentos, locações e tributos. Isso sem falar nas despesas com os processos de controle de cada etapa, feitas pela empresa ou executadas por terceiros. Como num jogo de xadrez, o movimento de cada peça pode afetar o resultado final. No caso da logística, a redução de custos numa etapa do processo pode gerar ineficiência em outra, sendo assim, não deve analisar os custos isoladamente. No caso da empresa em análise, seus consultores possuem um profundo conhecimentos de seus negócios, realizando constantes estudos e análises para minimizar os custos nos locais onde há possibilidade, maximizando seus lucros em cada processo.

Em grandes corporações, como O Boticário, a chamada logística integrada, que inclui o planejamento do fluxo de materiais e um conjunto de informações que abrange toda a cadeia de suprimentos de um negócio, do insumo ao produto acabado, é indispensável. Implantado em 1997, o processo levou a empresa a substituir seus 21 centros de distribuição regionais por um grande armazém localizado junto à fábrica. 'Investimos 5,5 milhões de reais para ter um centro de distribuição quase totalmente automatizado', diz Miguel Letenski Neto, gerente de logística da empresa. 'Conseguimos fazer uma economia significativa com a redução do estoque e com a eliminação das despesas que teríamos para modernizar os armazéns.'

O Boticário entrega por dia um total de 1.200.000 produtos



No ano de sua implantação, o novo modelo gerou uma economia calculada em 2 milhões de reais por Letenski. Parte substancial dos ganhos aconteceu quando a empresa assumiu a gestão dos transportes, embora ainda mantenha a entrega terceirizada - seis transportadoras, responsáveis por regiões específicas, fazem a entrega das encomendas às lojas. 'Conseguimos reduzir o custo do frete sobre o faturamento líquido de 3,2% para 2,3% do total', diz ele.
Com a mudança, a empresa instalou um transelevador com sensores, que corre em trilhos e é controlado por radiofreqüência. O recurso agiliza a estocagem em nove níveis de prateleiras e, aliado a outras providências, elimina o trânsito dos funcionários pelo estoque. Os trabalhadores recebem a mercadoria que vai compor cada pedido por meio de uma esteira rolante. Ainda assim, a automação do processo não foi total. 'Na área de cosméticos, não dá para automatizar tudo, porque a embalagem é um quesito muito importante e pode ser danificada', afirma Letenski.


Referências:


http://revistapegn.globo.com/Empresasenegocios

www.boticario.com.br/lojas_online

Nenhum comentário:

Postar um comentário